fachada coppeA Coppe/UFRJ teve 20 professores contemplados nos programas da Faperj: 12 no Programa Cientista do Nosso Estado e oito no Programa Jovem Cientista. Ao todo, a Faperj está concedendo 279 bolsas nos editais de 2016 para ambos os programas, resultando em um investimento total de cerca de R$ 25 milhões para os próximos três anos.

A UFRJ é a instituição com o maior número de docentes (91) contemplados pelos programas, seguida pela UFF (35).  Das unidades da UFRJ, a Coppe é a instituição que obteve o maior número de bolsas (20), seguida pelo Instituto de Biofísica (8), pelo Instituto de Ciências Biomédicas (7) e pelo Instituto de Microbiologia (7).

Confira a relação dos docentes da Coppe contemplados e suas respectivas pesquisas:

 

 

Cientistas do Nosso Estado

Antonio Mauricio Ferreira Leite Miranda de Sá – Utilização da foto-estimulação intermitente em estudos neurofisiológicos e para aplicações em interfaces cérebro-computador.

Carmen Lucia Tancredo Borges – Estimação do Potencial de Geração Solar Fotovoltaica utilizando Séries de Irradiância Sintetizadas a partir de Imagens de Satélites.

Eduardo de Moraes Rego Fairbairn – Desenvolvimentos e novos desafios dentro do quadro termo-químico-mecânico de modelagem do concreto: aplicações a estruturas dos setores elétrico e de petróleo.

Fernando Artur Brasil Danziger – Ensaios In Situ, Instrumentação e Fundações.

Luis Marcelo Marques Tavares – Modelagem e simulação avançada da cominuição: inovação no projeto e otimização de britadores e moinhos.

Luiz Henrique de Almeida – Estudo do fenômeno de fratura intergranular assistida poroxidação em superligas de níquel 718.

Marcelo Martins Werneck – Nanossensores a fibra óptica para monitoramento de h2s para aplicação na área do pré-sal.

Oscar Rosa Mattos –  Desenvolvimento e uso de novas técnicas eletroquímicas no estudo da corrosão nas indústrias de óleo e gás.

Paulo Fernando Ferreira Frutuoso e Melo – Análise da Confiabilidade e de Sensibilidade de Sistemas de Proteção de Plantas Industriais Considerando Envelhecimento e Falhas de Causa Comum.

Richard Magdalena Stephan– Implantação do Projeto Maglev-Cobra  no Campus da UFRJ

Romildo Dias Toledo Filho – Materiais Cimentícios Avançados, Inteligentes e Sustentáveis para a Construção Civil.

Rossana Mara da Silva Moreira Thiré – Aplicação de Novas Tecnologias e/ou Novos Materiais para a Fabricação por Impressão 3D de Arcabouços para a Regeneração de Tecidos Ósseos.

Jovens Cientistas do Nosso Estado

Franciane Conceição Peters – Novas Metodologias para inversão de dados sísmicos

Franklin de Lima Marquezino – Algoritmos quânticos: desenvolvimento, análise e aplicações.

Gabriela Ribeiro Pereira – Inspeção e Caracterização de Aços Inoxidáveis Duplex e Super duplex Por Ensaios Não-destrutivos Magnéticos.

João Paulo Bassin– Desenvolvimento e aplicação da tecnologia de lodo granular aeróbio em condições de clima tropical visando o tratamento descentralizado de esgoto sanitário.

Juliana Braga Rodrigues Loureiro – Escoamentos Turbulentos em Geometrias Complexas: Análise das Condições de Parede.

Oumar Diene– Controle e Gerenciamento de Energia em Redes Elétricas Inteligentes com Fontes Intermitentes de Energia.

Pedro Braconnot Velloso – Desafio: distribuição eficiente e segura de informação em internet das coisas.

Tatiana Mariano Lessa De Assis – Segurança Dinâmica de Sistemas de Distribuição Ativos.

 

Planeta COPPE

214344299 1100438566658466 495870418618974095 nA UFRJ foi eleita a melhor universidade do país, segundo ranking publicado nesta segunda-feira, 19 de setembro, pelo jornal Folha de São Paulo. Criado há cinco anos, o Ranking Universitário Folha (RUF) avalia instituições públicas e privadas de todo o país, com base nos itens ensino, pesquisa científica, qualidade de ensino, internacionalização, relação com o mercado de trabalho e inovação.  A UFRJ obteve a mais alta pontuação, com 97,46, seguida pela USP, com 97,03. 

O bom desempenho dos cursos de engenharia e licenciaturas no último Exame Federal do Ensino Superior (Enade) contribuiu para o avanço da UFRJ no ranking. Segundo reportagem publicada pela Folha, o ensino de qualidade e os investimentos em pesquisas na área de petróleo, na última década, foram fatores de peso para a boa avaliação da UFRJ.

O jornal destacou a atuação da Coppe como “principal centro de pesquisa da UFRJ e instituição pioneira nos estudos de óleo e gás no país”. De acordo com a reportagem, a descoberta de reservas de petróleo no pré-sal, em 2006, foi bem aproveitada pela UFRJ, que utilizou recursos advindos de parcerias para financiar pesquisas, criar projetos e fortalecer laboratórios na área de petróleo.  

De acordo com o reitor da UFRJ, professor Roberto Leher, na área de pesquisa em energia, “a Coppe foi responsável por um trabalho visionário nos anos 1960, em articulação com a Petrobras”, ressaltou Leher matéria publicada no site da universidade. 

    

Graduação e pós-graduação integradas

A Coppe atua de forma integrada com os cursos de graduação oferecidos pela Escola Politécnica (Poli/UFRJ). A parceria entre as duas unidades foi responsável pela criação, em 2003, de quatro novos cursos de graduação: Engenharia de Petróleo, Engenharia Ambiental, Engenharia de Automação, Engenharia de Computação. Os alunos da graduação também têm a oportunidade de participar de pesquisas e projetos nos laboratórios da Coppe, que possui o maior parque laboratorial de engenharia da América Latina e corpo docente de excelência acadêmica, composto por professores com doutorado e dedicação exclusiva.

“A colaboração da Coppe com a Poli e a Escola de Química é muito positiva, pois nos ajuda a recrutar os melhores alunos da graduação e, ao mesmo tempo, possibilita que os professores da Coppe ajudem a aprimorar o nível e a dinâmica dos cursos de graduação. Essa colaboração tem ajudado a melhorar nossa avaliação”, afirmou o diretor da Coppe, Edson Watanabe.


A infraestrutura humana e laboratorial da Coppe permite que os alunos de graduação se envolvam com pesquisa básica - o que ajuda em sua formação - e com temas aplicados, o que é muito importante no aspecto motivacional. “O estímulo, estar próximo a esse ambiente de inovação, que também inclui a Incubadora de Empresas e o Parque Tecnológico, ajuda a reduzir a evasão e a ampliar a atuação do aluno na universidade", ressaltou o professor Fernando Rochinha, diretor de Tecnologia e Inovação da Coppe.

Outro critério importante na análise do RUF é a internacionalização das universidades. A Coppe colabora decisivamente para a ótima avaliação da UFRJ, ao manter parcerias inovadoras com instituições internacionais de grande prestígio, como a Universidade de Tsinghua, em Pequim, (com a qual a Coppe mantém o Centro China-Brasil de Mudança Climática e Tecnologias Inovadoras para Energia); a China  University Petroleum; a Universidade de Columbia (Centro Coppe-Columbia); e o IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas).

Confira destaques da matéria da Folha de São Paulo empdf
 

Confira a reportagem sobre o ranking universitário e o protagonismo da UFRJ, no site da Folha da São Paulo

 

Planeta COPPE

 

Quatro alunos da Coppe/UFRJ receberão o Prêmio Gilberto Velho de Teses 2015. Alexandre Solon Nery e George Carneiro Campelo foram agraciados pela melhor tese e Gustavo Medeiros Freitas e Jovani Luiz Favero obtiveram menção honrosa. A premiação, concedida pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa (PR-2), em parceria com o Parque Tecnológico da UFRJ, contempla as melhores teses de doutorado defendidas na UFRJ em cinco áreas: Ciências da Vida; Ciências Tecnológicas e da Natureza; Ciências Sociais e Humanas; Letras e Artes; e Tese Inovadora. Essa última categoria é destinada a teses defendidas em qualquer área ou programa de pós-graduação que tenha gerado produto ou processo inovador, não necessariamente patenteado. Os autores das teses premiadas receberão o valor de R$ 10 mil reais.  

O aluno do Programa de Engenharia de Sistemas e Computação (PESC), Alexandre Solon Nery, foi premiado na categoria Ciências Tecnológicas e da Natureza pela tese "Automatic complex Instruction Identification for Efficient Application Happing on to ASIPs". Nery foi orientado pelo professor Felipe França, do PESC/Coppe, com coorientação dos professores Nadia Nedjah (Uerj), Lech Józwiak (Universidade de Tecnologia de Eindhoven - Holanda) e Henk Corporaal (Universidade de Tecnologia de Eindhoven - Holanda).


Na categoria Tese Inovadora, o aluno George Carneiro Campelo, do Programa de Engenharia Civil (PEC), foi agraciado pela tese intitulada "Metodologia de projeto para o sistema de ancoragem de conectores de dutos flexíveis e proposição de nova tecnologia". Campelo foi orientado pelo professor Gilberto Ellwanger (PEC) e pelo professor José Renato Mendes de Sousa (Escola Politécnica - Poli/UFRJ).

Foram agraciadas com menções honrosas, na categoria Ciências Tecnológicas e da Natureza, a tese "Reconfiguração de Robôs Móveis com Articulação Ativa Navegando em Terrenos Irregulares", defendida por Gustavo Medeiros Freitas, orientado pelos professores Fernando Lizarralde e Liu Hsu, do Programa de Engenharia Elétrica (PEE); e "Simulação de Escoamentos Multifásicos Polidispersos Multivariados", de autoria  de Jovani Luiz Favero, sob a orientação dos professores Paulo Laranjeira Lage, do Programa de Engenharia Química (PEQ) e Luiz Fernando Lopes, da Escola de Química (EQ/UFRJ).

A entrega do prêmio será realizada no dia 24 ade agosto, às 10h, no auditório do Parque Tecnológico. Saiba mais sobre a premiação no site da PR-2.

 

http://www.coppe.ufrj.br/pt-br/planeta-coppe-noticias/noticias/alunos-da-coppe-sao-agraciados-com-premio-gilberto-velho-de-teses

“Energia elétrica: isto é da sua conta” é o tema do talk show da próxima sessão de "Ver Ciência – Física Pra Quê?", cujo pesquisador convidado é o diretor da Coppe/UFRJ, professor Edson Watanabe. Aberto ao público, o evento será realizado no dia 1º de setembro, às 19 horas, na Casa da Ciência da UFRJ, na Rua Lauro Müller, 3, Botafogo.  

No talk show, que faz parte da exposição Descubra e Divirta-se, o professor Watanabe falará sobre fontes renováveis, consumo, custos de produção de energia e seus impactos no meio ambiente.

A energia elétrica é presença indispensável no cotidiano de bilhões de pessoas. Mas esta convivência diária não garante que esta seja uma ilustre conhecida.  O que é "1 W"? O que significa "1 kWh", "trifásico", "monofásico"?

Saiba mais no site VerCiência.

 

 

 

http://www.coppe.ufrj.br/pt-br/planeta-coppe-noticias/noticias/diretor-da-coppe-participa-de-talk-show-na-casa-da-ciencia

Subcategorias


Topo